Dois terços dos elefantes das florestas de África foram mortos na última década

Dois terços dos elefantes das florestas de África foram mortos na última década

Quase dois terços dos elefantes das florestas de África desapareceram nos últimos 10 anos devido à caça ilegal de marfim. A informação foi revelada numa cimeira sobre espécies selvagens que aconteceu em Banguecoque e onde estavam presentes as oito principais nações de comércio do marfim – incluindo Tailândia, a anfitriã, e China.

“A análise confirma o que os conservacionistas temiam: a rápida tendência para a extinção – potencialmente na próxima década – do elefante da floresta”, disse Samantha Strindberg, da Wildlife Conservation Society, uma das 60 cientistas da equipa de pesquisa.

Há apenas cerca de 100 mil elefantes nas florestas da África Central, comparativamente aos cerca de 400 mil elefantes da savana. A população total de elefantes há 30 anos era de mais de 1 milhão, mas tem sido totalmente devastada pela caça ilegal com vista ao abastecimento de marfim para a Ásia.

Lee White, chefe dos Parques Nacionais do Gabão, país que já foi lar da maior população de elefantes das florestas, disse: “Uma floresta sem elefantes é um lugar estéril. Eles tornam-na viva, criam os trilhos e mantêm abertas as clareiras da floresta que os outros animais usam; eles dispersam as sementes de muitas árvores – os elefantes são jardineiros florestais em grande escala”.

Os elefantes das florestas têm sofrido particularmente porque viajam na África Central, que foi deixada sem leis de regulação em grandes áreas, devido à guerra, e onde os caçadores furtivos têm acesso a armas. Além disso, os chifres destes elefantes são mais longos, rectos e duros do que os dos elefantes das savanas, tornando-se especialmente cobiçados. Muitos escultores preferem o marfim destes animais.

Apesar da desflorestação, o desaparecimento dos elefantes não se deve à perda de habitat, mas sim à caça furtiva. As florestas continuam a existir, estão é vazias de elefantes.

Foto: Sob licença Creative Commons

Comentários (Facebook):

Deixar uma resposta

Patrocinadores