Haiti recicla fezes humanas na luta contra a cólera

Haiti recicla fezes humanas na luta contra a cólera

As fezes humanas podem tornar-se em algo valioso. No Haiti, estão a ser transformadas em composto orgânico capaz de matar o vírus da cólera, servindo ainda para nutrir o solo.

Todas as semanas, a Soil (Sustainable Organic Integrated Livelihoods) recolhe dejectos humanos de 56 casas de banho secas construídas em campos de desalojados, vítimas do terramoto, e misturam-nos com lascas de cana-de-açúcar de bagaço, um subproduto da produção local de rum.

O Haiti está a tentar lutar contra a pior epidemia de cólera da história moderna. Apesar de mortal, a doença é facilmente tratável. A sua disseminação ocorre através da presença de fezes infectadas na água.

As casas de banho secas são uma solução de baixo custo para evitar que os desperdícios humanos contaminem lagos e meios aquáticos, num país que não tem abastecimento de água e esgotos adequados.

O governo do Haiti está a tentar então transformar uma substância potencialmente mortal num fertilizante rico e muito necessário. Os resíduos são transformados, com baixas emissões de carbono, em composto fértil, ajudando a combater a cólera, a desflorestação e a estimular a produção de alimentos.

O composto é já usado em quintas para cultivar amendoim e combater a má nutrição. No mês passado, a Soil vendeu 1.500 recipientes de 23 litros por €2.300 (MZN 87.600).

Recorde-se que o Governo moçambicano reforçou, no início do ano, as medidas contra a cólera. Pemba e Montepuez têm sido os distritos mais afectados por esta tragédia.

Comentários (Facebook):

Deixar uma resposta

Patrocinadores