Sul de África torna-se território fértil para energias renováveis

Sul de África torna-se território fértil para energias renováveis

O recente anúncio da Google do seu investimento de mais de Kw mil milhões (€9 milhões) num projecto solar na África do Sul fez destacar o sul do continente africano como uma nova fronteira para as fontes de energia renovável.

O projecto solar Jasper de 96 megawatts vai gerar energia suficiente para abastecer 30 mil casas – vai abranger cerca de 450 hectares, com mais de 325 mil módulos solares.

A verdade é que a Comunidade para o Desenvolvimento do Sul de África (SADC) tem uma abundância de fontes de energia renováveis que, se forem plenamente aproveitadas, podem impulsionar a geração de energia na região.

De acordo com o Banco Africano de Desenvolvimento, a região tem potencial para se tornar numa “mina de ouro” para as energias renováveis, devido aos abundantes recursos de energia solar e eólica, que são agora muito procurados pelos investigadores internacionais interessados na energia limpa.

Segundo o All Africa, o potencial global de energia hidroeléctrica nos países da SADC é estimado em cerca de 1.080 terawatts/hora por ano, mas a capacidade utilizada neste momento é pouco menos do que 31 terawatts/hora.

A região da SADC também é extremamente dotada de cursos de água, como no Congo e Zambeze. A barragem do Inga, no rio Congo, tem potencial para produzir cerca de 40 mil MW de energia eléctrica.

No que diz respeito à energia geotérmica, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente estima que estejam disponíveis cerca de 4.000 MW de electricidade ao longo do Vale do Rift, na Tanzânia, no Malawi e em Moçambique.

Neste sentido, o anúncio na África do Sul não deve ser visto apenas como um investimento significativo para a SADC mas também como um incentivo para a região e para os financiadores interessados em investir em energias renováveis.

Países como Botswana e Madagáscar estão a implementar com sucesso projectos semelhantes que permitem às comunidades marginalizadas produzir energia solar.

Comentários (Facebook):

Deixar uma resposta

Patrocinadores