Países vulneráveis publicam menos notícias sobre alterações climáticas

Países vulneráveis publicam menos notícias sobre alterações climáticas

De acordo com uma análise global publicada na Global Environmental Changes, os países que são particularmente vulneráveis ​​às alterações climáticas publicam menos notícias nos seus meios de comunicação social, acerca deste assunto, do que os países que são menos vulneráveis.

Os autores do estudo afirmam que a maioria dos estudos sobre a intervenção dos media neste tema tem sido realizada em países desenvolvidos e pedem uma maior investigação na cobertura mediática nos países em desenvolvimento – onde as alterações climáticas são menos abordadas.

Os motivos desta tendência podem ser específicos para cada país, mas uma possível causa pode ser a falta de recursos para a ciência e o jornalismo ambiental, revela o All Africa.

Os investigadores analisaram a cobertura noticiosa sobre o tema entre 1996 e 2010 em 37 jornais líderes de 27 países – incluindo 14 nações em desenvolvimento em África, na Ásia e na América Latina.

Descobriram então que a referência às alterações climáticas foi responsável por 0,62% de todos os artigos em estudo, com uma tendência de crescente destaque. Em média, a cobertura noticiosa foi menor nos países em desenvolvimento particularmente vulneráveis – como a Argélia, a Índia e o México.

“O nosso principal argumento é que os países em desenvolvimento, em geral, não são obrigados a seguir as políticas climáticas de mitigação – esforços de redução dos gases com efeito de estufa – e, portanto, os acontecimentos políticos ou debates daí decorrentes ficam a faltar na cobertura mediática”, defendeu o co-autor Andreas Schmidt, investigador na Universidade de Hamburgo, na Alemanha.

Ele acrescenta que os jornalistas em países em desenvolvimento precisam de uma melhor formação e recursos financeiros, de modo a serem capazes de transmitir informações pertinentes acerca das alterações climáticas e as suas complexidades – participando, por exemplo, em negociações internacionais acerca do tema.

Comentários (Facebook):

Deixar uma resposta

Patrocinadores