Manica recebe escolas ecológicas para as crianças desfavorecidas (com FOTOS)

Manica recebe escolas ecológicas para as crianças desfavorecidas (com FOTOS)

A melhoria das condições de estudo pode salvar as crianças? A escola pode ser um centro de desenvolvimento comunitário? Foi com estas duas questões em mente que David Fernandes, fundador da The Big Hand, levou a cabo um projecto de construção sustentável de salas de aula em Manica, Moçambique.

David, 33 anos, natural de Setúbal, fundou a The Big Hand em 2010, depois de ter trabalhado vários anos como voluntário na área da cooperação. Trata-se de uma ONG dedicada à educação em Moçambique e que tem como principal foco a protecção das crianças em condições desfavoráveis – com especial cuidado para com as meninas órfãs.

Entre outras acções, a The Big Hand dedica-se a melhorar as infra-estruturas escolares da província de Manica. E, neste processo, o uso de técnicas de construção que permitam conservar o meio ambiente é visto como algo fundamental. “Acreditamos que a escola deve ser usada como uma montra das boas práticas, permitindo ensinar as crianças e educar os pais”, explica David ao Green Savers.

É assim que nascem as escolas amigas das crianças e do ambiente, que contam com o apoio de vários voluntários, incluindo os Arquitectos Sem Fronteiras. A supervisão técnica fica a cargo de um jovem voluntário dos Estados Unidos, mas o processo de construção envolve a comunidade e os artesãos locais.

Por um lado, é usado o Bloco de Terra Compresso (BTC) ou Bloco Ecológico – tijolos fabricados numa prensa por meio da compactação de terra. David explica que a mistura consiste em 90% de terra e 10% de substância estabilizadora (cimento ou cal). “É um processo de construção ecológico, devido à baixa utilização de cimento e ao facto de não ser necessitário cozer ou queimar o bloco, poupando assim a floresta.”

Por outro lado, também foi adoptada a técnica de Superadobe, em que sacos de polipropileno são preenchidos com solo argiloso e moldados no próprio local, com recurso a um pilão, por processo artesanal.

Mas a sustentabilidade não se fica pela paredes – a equipa tem procurado outras soluções ecológicas para colmatar problemas locais, como a reutilização de garrafas de plástico para aumentar a luminosidade numa das salas de estudo.

Usando os recursos disponíveis, em estreita sintonia com a natureza, são erguidas as escolas que vão receber crianças por várias aldeias economicamente desfavorecidas. Ao mesmo tempo, é feita a inclusão social de comunidades inteiras que participam activamente na construção e a quem são ensinadas estas novas técnicas, que se esperam ser adoptadas e replicadas no futuro. “Três artesãos vieram de três aldeias diferentes para aprender a técnica”, conta David.

A The Big Hand constrói escolas, investe em equipamentos e na formação de professores e desenvolve, em parceria com os agentes locais, programas inclusivos que visam preparar as crianças para os desafios da vida, em estreita ligação com a comunidade onde vivem.

Comentários (Facebook):

Deixar uma resposta

1 comment

  1. Ana Maria L.A. d'Oliveira

    Fantástico trabalho sobre escolas ecológicas em Manica. David, em Silves há um arquitecto – José Alegria – especialista em construções em adobe. E eu tenho um livro dele muito interessante sobre essa matéria. Se estiver interessado procure Duracel no Facebook. Parabens pelo seu maravilhoso trabalho!

Patrocinadores