Desigualdade de rendimentos prejudica o crescimento económico

Desigualdade de rendimentos prejudica o crescimento económico

O Fundo Monetário Internacional (FMI) revelou um relatório sobre os efeitos negativos da desigualdade de rendimentos no crescimento económico. De seu título “Redistribuição, Desigualdade e Crescimento”, o relatório revela que enormes desigualdades de rendimentos são prejudiciais para o ritmo e sustentabilidade do crescimento económico. O FMI refere também que os esforços de redistribuição – incluindo impostos progressivos e gastos na saúde e educação – contribuem para esse crescimento.

O relatório do FMI afirma que seria incorrecto concentrar-se apenas no crescimento económico e não na luta contra a desigualdade – não só porque a desigualdade pode ser eticamente indesejável, mas também porque o crescimento resultante pode ser insustentável e “os efeitos combinados da redistribuição costumam favorecer o crescimento”, cita o AllAfrica.

Um relatório recentemente publicado pelo Comité de Oxford de Combate à Fome (Oxfam) revela que quase metade da riqueza mundial é propriedade de um por cento da população e que a metade inferior da população mundial possui a mesma riqueza que as 85 pessoas mais ricas no mundo.

Nicolas Mombrial, chefe da Oxfam em Washington, afirmou que a sua organização concorda com o FMI – uma grande desigualdade é prejudicial não só por ser moralmente inadmissível, mas também por não ser uma boa prática económica.

Foto:   SOS Barnbyar / Creative Commons

Comentários (Facebook):

Deixar uma resposta

Patrocinadores