Mercado de carne de animais selvagens africanos mata mais de 9.000 primatas por ano

Mercado de carne de animais selvagens africanos mata mais de 9.000 primatas por ano

Uma equipa de investigadores analisou o mercado de carne na África Ocidental, cmo parte de um projecto destinado a calcular as populações de primatas ameaçados, e descobriu algumas evidências perturbadoras.

Assim, o mercado Daobly, na Costa do Marfim, vende cerca de 9.464 primadas por ano, sendo que muitas dessas espécies estão ameaçadas de extinção.

A equipa, composta por investigadores da Universidade de Oregon e Ohio, realizou pesquisas no mercado, em 2009 e 2010, registando até à data carcaças de várias espécies, trazidas para o mercado através de canoas provenientes de um rio próximo.

Os primatas para comercialização no mercado de Daobly têm como principal ponto de partida o distrito de Konobo, no Leste da Libéria, uma área de conservação de alta prioridade que contém várias espécies ameaçadas de extinção.

Entre os animais mortos foram encontraram-se antílopes, várias espécies de macacos e até dois chimpanzés, revelou o The Dodo.

O estudo, publicado pela revista Tropical Conservation Science, comparou o número de animais mortos para carne com a população da floresta e constatou que o nível de caça se tornou insustentável e está a colocar muita pressão sobre as populações de primatas.

Os investigadores salientaram ainda que as suas estimativas são demasiado conservadoras, pois existem outros mercados onde esta carne é vendida e que não foram analisados. Por outro lado, alguns fornecedores não deram permissão para contar os animais que tinham para venda.

O The Dodo refere que existe uma grande procura ocidental pelas carnes vindas de África. Na verdade, um outro estudo examinou apreensões de animais selvagens em Paris, tendo encontrou um comércio bastante lucrativo em Charles de Gaulle, impulsionando pela procura europeia por iguarias.

Foto:  carolynconner / Creative Commons

Comentários (Facebook):

Deixar uma resposta

Patrocinadores