Existem apenas seis rinocerontes brancos do norte em todo o mundo

Existem apenas seis rinocerontes brancos do norte em todo o mundo

Há mais de um milhão de anos, o rinoceronte branco do norte vagueava pelas savanas do Chade, Uganda, República Democrática do Congo e Sudão do Sul. Nos anos 1960, havia apenas 2.000 destes animais. Nas duas décadas seguintes, os caçadores furtivos reduziram a sua população de 500 para 15. Actualmente, existem apenas seis elementos desta espécie.

Até este mês existam sete rinocerontes brancos do norte, quando Suni, um macho de 34 anos e o primeiro rinoceronte branco do norte a nascer em cativeiro, foi encontrado morto pelos guardas da reserva Ol Pejeta Conservancy, no Quénia. A causa da morte não é certa. Mas pior que isso é o facto se Suni ser um dos apenas dois machos em idade reprodutora do mundo.

“Consequentemente, a espécie está agora à beira da extinção completa, um testemunho infeliz da ganância da raça humana”, lê-se num comunicado emitido pela reserva a transmitir a morte do rinoceronte, cita o Dodo.

Suni nasceu no Jardim Zoológico de Dvur Kralove, na República Checa, e foi trazido para a reserva queniana em 2009, juntamente com outros quatro rinocerontes brancos do norte para um programa de reprodução. Os seus chifres foram na altura removidos para que se tornassem menos valiosos aos olhos dos caçadores furtivos.

Para além dos três rinocerontes brancos do norte que permanecem no parque do Quénia, existem outros três em jardins zoológicos – um no zoo de Dvur Kralove e dois do zoo de San Diego, Estados Unidos. Têm sido realizadas várias tentativas de inseminar artificialmente estes animais, mas nenhuma tem sido bem-sucedida.  Agora, o destino da espécie está nas mãos dos três rinocerontes no Quénia, duas fêmeas e um macho.

Os rinocerontes brancos do norte são uma subespécie do rinoceronte branco. Os rinocerontes brancos do sul estão num melhor estado de conservação, com uma população estimada em 17.000 animais, devido aos grandes esforços de conservação.

Foto: helenehoffman / Creative Commons

Comentários (Facebook):

Deixar uma resposta

Patrocinadores